Ferramentas Pessoais
Você está aqui: Página Inicial Mercado Cresce fatia de famílias endividadas e sem condições de pagar contas

Cresce fatia de famílias endividadas e sem condições de pagar contas

Alta de 1,7 ponto percentual de fevereiro para março encerra três meses de queda sequencial, diz FecomercioSP.

 

A proporção de famílias paulistanas endividadas subiu em março ante fevereiro, bem como aumentou a inadimplência nessa mesma base de comparação, de acordo com pesquisa da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), divulgada nesta quarta-feira (12).

No mês passado, 50,2% das famílias consultadas no levantamento declararam ter algum tipo de dívida, um alta de 1,7 ponto percentual na comparação com fevereiro, encerrando três meses mostrando queda na medição sequencial.

"Depois do uso dos recursos adicionais do décimo terceiro salário para quitar as dívidas era natural que o número de famílias endividadas voltasse a subir", disse em nota a assessoria econômica da FecomercioSP.

Frente a março de 2016, porém, houve queda de 1,4 ponto, conforme a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC). Para a entidade, tal resultado reflete ainda o conservadorismo dos consumidores que, diante da crise econômica e do receio do desemprego, estão avessos à tomada de crédito.

Em números absolutos, a pesquisa mostrou que o total de famílias endividadas passou de 1,873 milhão em fevereiro para 1,941 milhão em março. Em março de 2016, esse número era de 1,979 milhão.

O endividamento foi maior entre as famílias que ganham até dez salários mínimos.

A proporção de famílias com contas em atraso atingiu 17,5% em março, alta de 1,0 ponto na comparação com fevereiro, mas caiu frente ao mesmo período do ano passado, quando registrava 18,4%, mostrou a pesquisa.

Também voltou a subir a fatia de famílias que não terão condições de pagar as contas no próximo mês, a 8,7% em março - maior patamar desde outubro de 2006. Em fevereiro, esse percentual era de 8,4% e em março de 2016, de 6,7%. A maior proporção de contas em atraso foi percebida também nas famílias com renda de até dez salários mínimos. 

Leia notícia na integra aqui.

Fonte: http://g1.globo.com/economia/seu-dinheiro/noticia/cresce-fatia-de-familias-endividadas-e-sem-condicoes-de-pagar-contas.ghtml

Ações do documento